terça-feira, novembro 29, 2011

O Conhecimento não ocupa lugar

Será que não ocupa mesmo lugar?

Uma amiga à tempos desmentiu, dizendo, e bem: "O conhecimento ocupa lugar, sim - o lugar da ignorância."
Deu-me que pensar, pois ambas as afirmações estão corretas, mas cada uma com um sentido completamente diferente.

O conhecimento não ocupa lugar

O conhecimento é resultado de todas as experiências que temos na nossa vida, sejam elas triviais do nosso dia-a-dia, ou académicas. Sempre que nos debruçamos sobre um cenário novo, algum conhecimento surgirá, alguma experiência ganharemos. Mas é preciso estarmos mesmo sobre um novo cenário, pois caso contrário, podemos dizer que atuamos dentro da nossa zona de conforto - uma área abstrata delimitada pelo nosso conhecimento e da qual conhecemos as variáveis, ou a grande maioria delas e conseguimos ter controlo total ou parcial sobre a matéria em questão.

- "E fora dessa área?"

- "Um dia serei astronauta."
Fora dessa área temos o Novo, o Desconhecido, a Surpresa, Mais Conhecimento, a Verdade. E é ao navegarmos nessa área que crescemos intelectual/moral-mente. Mas é preciso ter um espírito aberto às novas experiências. Quantas pessoas desistem ainda antes de tentar? Quantas pessoas ouvem os boatos e as hipóteses, julgando que isso é o suficiente para saberem algo sobre alguma coisa?
E é ao não darmos um passo na direção do conhecimento, que estagnamos e damos espaço à ignorância.
Não podemos questionar a nossa capacidade de aprendizagem, pois todos nós estamos capacitados para aprender sempre um pouco mais, desde a pessoa com Trissomia 21 até ao grande Astro-Físico...há sempre espaço para aprender algo mais. SEMPRE.

O conhecimento ocupa o lugar da ignorância


Se tivermos então a coragem de navegar num mar desconhecido, temos de lembrar-nos que há muitas pessoas a ganharem com isso - ganha o próprio indivíduo e todos os que o rodeiam. Porque o conhecimento DEVE ser partilhado, para retirar mais pessoas da ignorância. Claro que não devemos aceitar tudo sem um olhar crítico, mas devemos expôr-nos às experiências para retirarmos as nossas próprias conclusões. Pior do que não poder aprender, é não querer aprender; os verdadeiros ignorantes não querem aprender, pois num misto de presunção e preguiça, julgam que sabem tudo...e assumir que se sabe alguma coisa, é dar rédea solta ao erro e à falácia.

A meu ver, devemos estudar um pouco de tudo, começando, obviamente, pelas matérias que mais nos agradam. Devemos estudar também o nosso comportamento e o dos outros, tentando perceber o que somos, como agimos, como pensamos, qual a finalidade de certos atos; e tentar chegar ao nosso íntimo, procurando implementar uma verdadeira reforma do nosso ser, com base no conhecimento e não na ignorância.
Procurar fazer o bem, é também uma forma de fugir da ignorância.

Ser Conhecedor

É hora de agir.
Procuremos um livro sobre uma matéria diferente, procuremos apreciar outros domínios, desde as coisas simples e ordinárias da nossa vida, até às matérias mais complexas e extraordinárias.
Acredita em ti e nas tuas capacidades...hoje, experimenta ignorar aquele programa de televisão ou não leias aquela enfadonha revista côr-de-rosa...hoje darás um passo noutra direção, por um caminho que necessita de mais esforço, mas que no final te deixará diferente e bem melhor.

Se os óculos fizerem doer a vista, tira-lhes as lentes.
Lembra-te que ao seres conhecedor, não és tão facilmente manipulado...mas lembra-te também do reverso da medalha: ao seres conhecedor, não deves subjugar aqueles que aparentemente sabem menos do que tu.

Agora vai, sai desse marasmo mental e procura a luz do conhecimento verdadeiramente útil e necessário ao teu ser e à comunidade em que te inseres - ao seres conhecedor, tornas-te uma nova fonte de conhecimento.

E o conhecimento, ninguém to tira.
Postar um comentário