quinta-feira, abril 05, 2012

Simplicidade


Esta manhã, uma criança de muletas e o adulto que a acompanhava (talvez o pai), estavam a observar umas flores silvestres que nascem nos pequenos descampados que circundam os prédios. A criança sorria e percebia-se na sua cara como ela estava feliz a admirar tudo enquanto o adulto fotografava as flores.

Aqueles gestos tão simples de admiração para com a natureza, relembraram-me que o Homem anda muito distraído. Perdemos muito tempo à procura de algo que nos admire que nos deixe entretidos...quando basta pararmos e olharmos a Natureza à nossa volta. Somos bombardeados por coisas fúteis e inúteis...e pior que isso, fazem-nos acreditar que só pagando é que conseguimos ter essas coisas.

E eu pergunto:
Quando foi a última vez que admirámos as estrelas no céu? Ou contemplámos uma árvore? Quando foi a última vez que tentámos perceber qual o papel de cada elemento na Natureza?

Acho que perdemos muito tempo a pensar como destruir, construir e fazer tudo à nossa maneira, quando as coisas mais belas e os melhores exemplos de perfeição nos são dados pela Mãe Natureza.


2 comentários:

Pri disse...

Amigo Saraiva,bom dia!

É com muito gosto que lhe digo que desse mau não sofro. Pois aqui em casa e eu marido temos por hábito observar o céu,as estrelas isso enquanto todos estão a dormir.

A natureza é perfeita e linda,como é bom ouvir o canto dos passáros, como é bom ter tempo para observar as belezas da criação de Deus!

Lembranças da Pri

Saraiva disse...

Olá Pri,

é mesmo, tudo é perfeito, toda esta criação da Natureza e as suas leis são algo fantástico. E nós, Humanidade, ainda temos um longo caminho a percorrer até compreender a perfeição da mesma e como vivermos de forma simbionte com o Universo.

É preciso acordarmos e deixarmos de olhar apenas para aquilo que vemos à nossa frente e no presente...é necessário a nossa consciência expandir para compreendermos o nosso papel em vários círculos como, a nossa família, amigos, vizinhança, aldeia, cidade, Terra e Universo. Não nos devemos ficar pelos círculos pequenos, devemos pensar na influência que os nossos actos têm a todos os níveis.

Um abraço de paz,
--
R. Saraiva